24 setembro 2015

• Resenha • - O caderno de Maya ~ Isabel Allende

O caderno de Maya, um romance que foi escrito por Isabel Allende, publicado em 2011,

pela editora Bertrand Brasil e tem 433 paginas.
*
 Maya tem 19 anos, com seus cabelos multicoloridos e suas botas rosas do Exército da Salvação, é mandada por sua Nini (sua avó) para casa de Manuel Árias no fim do mundo, Chiloé, no Chile, para se esconder de encrencas que se meteu. Ela escreve em seu caderno todos os acontecimentos trágicos e felizes que viveu e esta vivendo sua vida. 
~~~~~~~~~~~~~~~




~~~~~~~~~~~~~~~
Ainda bebê foi abandonada por sua mãe, e seu pai nunca tinha tempo para lhe dar atenção. Foi criada por seu avós, seu Popo um afro-americano, astrônomo e escritor, que ela amava incondicionalmente, mesmo não sendo seu avô verdadeiro.
*
-Vamos Popo, jure que nunca vai morrer. - eu exigia, pelo menos uma vez por semana.
A resposta dele era inevitável.
- juro que sempre estarei com você. - pag. 56
*
E sua Nini uma mulher muito durona mas cheia de amor para dar e vender.
*
... O primeiro desgraçado que se atrevesse a me insultar ia se entender com a máfia chilena. Essa máfia era composta apenas por ela mesma... - pag. 44
*
Maya teve seus altos e baixos na adolescência, e com 16 anos ela se perdeu completamente. Acabou se envolvendo com más companhias, suas amigas Sarah e Debbie lhe apresentaram as bebidas, as drogas, a prostituição e acabou se viciando. Isso não durou muito pois sua avó acabou descobrindo de um modo muito ruim, e a única alternativa era interna-la em uma clínica ou ser presa. Acabou sendo internada em Oregon, ficou lá por 1ano e meio e resolveu fugir. Se tornou uma garota cheia de traumas e totalmente perdida para as drogas. Se envolveu com tráfico de drogas e quase morreu. Conheceu pessoas do bem que a ajudaram a voltar para casa e por fim acabou escondida na ilha de Chiloé. 
Nessa ilha Maya encontra paz e se vê livre de seus vícios e de seus perseguidores. Ela se apaixona por Manuel Arias do mesmo jeito que era apaixonada por seu avô. Acaba convivendo quase um ano inteiro com Manuel e descobrindo coisas do seu passado perturbador.
O livro é de romance, mas não é um romance açucarado que estão acostumados, o amor platônico de Maya aparece só no final do livro e a deixa completamente apaixonada.
*
-Meu Popo dizia que o amor nos torna bons. Não imposta quem amemos, também não importa se somos correspondidos ou se a relação é duradoura. Basta a experiência de amar, isso nos transforma - pag. 253
*
 Não posso contar o final do livro se não vou estragar-lo, contei os pontos principais do livro, que para mim foi bem cansativo, mas foi uma leitura que valeu muito a pena e ela mudou algo na minha vida de um modo inexplicável, Isabel consegui me cativar e sofrer junto com Maya. Esse livro merece 5 estrelas pelo jeito que Isabel escreveu, uma narrativa fantástica e um texto inteligente. Ela tirou inspiração de sua própria vida, seus filhos também eram viciado em drogas e viveu o sofrimento na pele. Espero que tenham gostado dessa minha tentativa de escrever uma resenha, e para quem leu ate o fim agradeço de coração, eu indico esse livro, mas aviso que ele é bem pesado. E a próxima resenha é do livro da minha parceira, que irei falar dela no próximo post. Beijos.
*
Sigam meu ig @fomedeleitura, e sigam o blog para acompanharem as próximas postagens :D